Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

31 da Sarrafada

31 da Sarrafada

04
Nov10

Liga Europa: In Vino Veritas

Pedro Figueiredo

 

 

 

Lembro-me que no início da década de 1990, veio cá ao burgo um iluminado (e não, não estou a ser irónico), de seu nome Michael Porter, como consultor do governo de sua excelência, o professor Anibal Cavaco Silva. Basicamente, veio dizer-nos a que é que a malta se tinha de agarrar para sermos competitivos no mecado global que estava a surgir à força toda.

 

Para além do tabu, surgiu, então na altura, algo a que o povo já se pode ter esquecido, que era uma coisa muito bonita chamada clusters. Admito que me pareceu mais uma marca de bolachas e até pensei que seria esse o salto que a fábrica Nacional pudesse dar para competir com a Cuetara e com a Kraft (da Oreo). Mas não. Clusters eram apenas e tão-só as áreas estratégicas nas quais valia a pena investir, se quisessemos sonhar, sequer, em andar lá fora à turra e à massa com os ciganos do Mundo.

 

E quando digo que Porter era iluminado, é porque era mesmo. O homem tem um MBA e um doutoramento em economia empresarial pela Universidade de Harvard, onde é professor, embora tivesse tirado a licenciatura em Princeton, mas em engenharia mecânica e aeroespacial. Não é, propriamente, um tipo saído das Novas Oportunidades. No entanto, as suas conclusões pareceram-me um bocadinho curso técnico-pofissional... tirado à noite. Então veio o homem de tão longe, estudou tanto o nosso país, levou uma parte dos nossos (escassos) recursos financeiros para dizer o que o país inteiro sabia? Bom, podem dizer que foi uma espécie de ovo de colombo da economia nacional, mas mesmo assim é fraquinho. Imaginem que Porter concluiu que, um dos nossos clusters, era o mar. Quem haveria de dizer. Até os habitantes do Quirguistão devem saber isso, já que não o têm.

 

Mas vamos ao que interessa, que o lençol já vai longo.

 

Pois outro dos clusters que Porter assinalou foi o vinho. No entanto, parece-me que ninguém com responsabilidade no assunto leu o relatório do homem. Porque, qual não é o meu espanto, quando na minha ronda internacional, deparo-me com esta pérola. A verdade no vinho, meus caros.

 

Lá longe, nessa pobre e sem expectativas de crescimento localidade chamada Hong Kong, esperam e desesperam por vinho português. Mas não é um vinho qualquer. Pelos vistos, zurrapa já mandamos nós para lá. Por isso é que as nossas quotas de mercado (180.000 litros por ano), quando comparadas com as da França (7.560.000) e com as da Austrália (6.660.000), tornam-se como as figuras dos políticos a queixarem-se da perda de poder compra: patéticas.

 

Austrália? Por amor de Deus! Quer dizer, então agora vamos passar a ser grandes exportadores de material de surf? É isso? Cada macaco no seu galho, companheiros.

 

Tudo isto porquê? Bom, se os pedintes de Hong Kong reclamam o melhor das nossas uvas, é sinal que na relação de negócio entre Porter e Portugal, só um ficou a lucrar. E quem contou as notas por último foi ele e não nós. Ficamos contentes com a enorme revelação económica que fez, mas como já todos sabíamos, pelos vistos, deixou-se estar como estava.

 

Até compreendo que os portugueses queiram ficar com o melhor que a terra nos dá e mandar os restos lá para. O Mateus Rosé até pode ser, ainda, um sucesso de vendas (conhecem lá os bifes outra coisa), mas a globalização traz, também, gostos mais refinados.

 

Portanto, rapaziada do Douro, de Palmela, do Dão, do Ribatejo e do Alentejo, que sei que frequentam (e muito) este blogue, apanhem o próximo avião para Hong Kong e tornem-se ricos. É que quanto mais pomada vocês colocarem à mesa dos chineses, mais hipótese temos deles nos comprarem títulos da dívida pública. Qualquer dia, só mesmo bem atascados é que alguém o faz.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D