Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

31 da Sarrafada

31 da Sarrafada

10
Fev10

O Twitter, os políticos e a malta do segundo balcão

31 da Sarrafada

 Na mesma semana em que dois políticos, Ascenso Simões (@ascensosimoes) e António Nogueira Leite (@anleite) largam o twitter por deixarem de ter paciência para a confusão, uma vez mais se nota que o Twitter está de saúde e recomenda-se, não obstante (na minha opinião) ter ficado bastante mais pobre com a saída de ambos. 

 

 


Na noite em que Paulo Rangel anuncia que se vai candidatar à liderança do PSD - e isso começa exactamente ao minuto 0 + 1 segundo em que começa a falar - o Twitter ferve com comentários de todos os lados. Isto não é nada de especial, aliás. O Twitter ferve sempre e ferve em cima do acontecimento. Ferve quando acontece alguma coisa, ferve quando há debates, ferve nas eleições, ferve nas tricas, nas calhandrices e nas coisas sérias. Ferve, por vezes, em lume mais alto do que as pessoas gostariam, mas isso é uma característica normal das relações através da internet. Evidentemente que há muita gente que ainda se aflige, se ofende e se aborrece mas, para quem anda por aqui há uns anos, nem é sequer um local de flames assim muito grandes, comparadas com as dos anos de IRC's, usenets e quejandos. 

 

[Tenho para mim que este tipo de comunicação mais exagerada e exaltada, ofensiva até, não é, de todo, decorrente daquela mania que as pessoas têm de culpar as relações virtuais, o distanciamento e o facto de as pessoas se esconderem em anonimatos e o camandro; tudo isso não passa de mito urbano; na realidade, o que acontece, em grande parte das vezes, é exactamente o contrário: a informalidade deste tipo de conversas e discussões leva a que pessoas que não se conhecem em carne e osso (recuso-me a usar os termos real e virtual dado que, para mim, a net nesse aspecto é apenas mais uma ferramenta de comunicação, como o telefone) se tratem como se estivessem numa mesa, a seguir ao almoço, quando já voam os pratos e os copos: quem nunca teve uma bela discussão de partir a loiça toda num jantar de Natal ou Páscoa ou casamento do primo, com 20 membros da família chegada, que levante a mão, faxavor...exacto. É isso mesmo. O problema na net é que depois não há a parte da gargalhada no dia seguinte, quando a rapaziada se começa a lembrar da barulheira da véspera. Ou, se calhar, até há: quando as pessoas percebem que não passa disso e não se levam demasiado a sério e não amuam com as ofensas. Mas tergiverso; voltando ao assunto:]

 

As reacções - imediatas, a quente, na palhaçada ou sérias - às declarações de Rangel, deixaram-me, uma vez mais, a pensar que não sei como não há analistas sérios, dentro dos partidos, a LER o twitter com olhos de ver. A analisar o que é dito. A ouvir a opinião de pessoas comuns, conhecidas ou não, políticos, jornalistas, engenheiros, doutores, estudantes ou donas de casa. Porque 1. ali se debitam opiniões muito honestas, dada a informalidade do meio e 2. porque aquelas opiniões são um apanhado da população se calhar bem mais abrangente que as perguntas telefónicas estúpidas das sondagens. Se alguém se preocupasse em saber realmente o que se passa, não em termos de informação, desta vez, mas de opinião pública, então o Twitter seria o local ideal para se analisar seriamente o que pensam as pessoas sobre (quase) todos os assuntos.

 

Nomeadamente e no caso concreto que, provavelmente, Paulo Rangel deveria imediatamente alterar o discurso de futuro eventual estadista ou então nem sequer tirar a máquina de barbear da mala. 

 

 Catarina Campos (continuo sem entrar no meu user)

 

 

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D