Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

31 da Sarrafada

31 da Sarrafada

17
Mar11

Liga Europa: Os filhos de Godot

Pedro Figueiredo

 

Oremos. Já ninguém duvida que uma boa parte da população está em sofrimento. Um drama ao qual o Governo diz ser sensível e tudo estar a fazer para minorar o impacto que as necessárias e exigidas (pelos parceiros europeus) medidas de austeridade terão nos cidadãos em condições de maior fragilidade. O benefício da dúvida dá quem quer.

 

Com o anúncio de um novo PEC (versão 4, que faz parecer o Plano de Estabilidade e Crescimento uma autêntica saga do Rambo), a situação política tornou-se um autêntico drama de Beckett, cujas personagens, na esperança de lhes ser aliviado o sofrimento, ficavam à espera de Godot.

 

O impasse é claro. Sócrates quer mais um cheque em branco do seu mais directo adversário, arrastando o PSD e Passos Coelho para mais uma vinculação (nem que seja pela abstenção) a medidas pouco populares que se avizinham, agitando de novo a bandeira de uma crise já está instalada há muito tempo. O Primeiro-ministro espera, assim, pelo que Passos Coelho apresentará como estratégia política, independentemente do que as figuras que à sua volta gravitam possam dizer. É da boca de Passos Coelho que terá de sair a posição do seu partido.

 

Encostado às cordas, o líder do PSD parece não saber bem se a insatisfação nacional está já no ponto rebuçado. Aquele em que lhe permite deixar cair o Governo, forçar eleições antecipadas e poder assumir o poder, como pretende. É uma dúvida quase existencial. Em política, os timings são determinantes e um erro de calendário poderá deitar tudo a perder. Não é fácil tomar decisões desta natureza, mas é nestes momentos que os homens certos se revelam. E há até quem, próximo de Passos Coelho, acredite que uma decisão firme e vertical já vem tarde. Aliás, não é por falta de aviso que Passos Coelho deixará de arriscar. A questão é que também Passos deve estar à espera. À espera que seja Cavaco Silva a fazer alguma, já que o Presidente da República falou num segundo mandato de magistratura mais interventiva. E para ter saído de Belém tão confiante a irredutível é porque a conversa foi proveitosa.

 

Cavaco Silva não vai fazer nada. Porque nem vai precisar. Vai, também, ficar à espera que Sócrates cumpra o prometido e lançar o país em mais um desgastante processo eleitoral, no qual o PSD se vai assumir como alternativa, com as garantidas críticas do PS de terem criado uma crise numa altura em que o país devia ter estado unido (como se alguma vez a classe política tivesse dado o exemplo). No fundo, ficaram todos à espera uns dos outros, enquanto o povo aguardava a solução que os tirasse do sofrimento. E eleições não é certamente a resposta.

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D