Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

31 da Sarrafada

31 da Sarrafada

21
Jun10

Pedrada no charco

joao moreira de sá

 

Já o vi escrito, já ouvi comentários vários a favor, nenhum contra e continuo sem perceber por que não se tem a coragem política de com uma simples medida acabar com uma enorme hipocrisia social e política, contribuir para resolver um problema social com resultados imediatos e indiscutíveis a nível da criminalidade, para não mencionar para já o aspecto mais susceptível da coisa e, aspecto de máxima importância, gerar receita fiscal.


Se o Estado não só aceita como legal como ainda taxa e recebe impostos da receita gerada pelo comércio de duas das mais perigosas e socialmente danosas drogas, o tabaco e o álcool, porque não aplicar o mesmo princípio a drogas que só por hipocrisia e demagogia se nega um menor risco social e para a saúde, as chamadas drogas leves, bastando para tal limitar-se a copiar o modelo holandês. Do efeito social ao nível do consumo de drogas, nomeadamente as ditas drogas duras, heroína e cocaína, dizem os números que o IDT disponibiliza. Houve uma redução do consumo após a legalização. Da receita dos impostos (altíssimos) que o estado holandês arrecada anualmente é... ora... é... é fazer as contas. Há que somar aos impostos directos as receitas geradas pelo turismo, se quisermos continuar a deixar de lado as hipocrisias; a poupança no combate ao tráfico cujas verbas podem em parte ser convertidas em diminuição de gastos, outra parte em aumento de recursos para, precisamente, apoio à prevenção e tratamento da toxicodependência.


Saber e permitir que o comércio de uma substância ilegal seja feito de forma marginal à sociedade e à economia não tem vantagem sob qualquer perspectiva e ao ser conivente o Estado está a demitir-se da sua obrigação de zelar pelo bem estar colectivo, segurança e saúde dos cidadãos, da mesma forma que mais que aceitando, impondo receber parte do lucro de do comércio legal da substância que possivelmente mais pessoas mata por ano em Portugal, o tabaco e recusar-se a receber receita de uma outra substância que se sabe não provocar a morte, numa altura em que pede tantos sacrifícios aos contribuintes, o Estado não está a ser uma pessoa de bem.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2010
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2009
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D