Espólio Sarrafeiro
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Sarrafeir@s
Facebook
Share
Network Blogs
<
Related Posts Plugin for Blogs.
Quinta-feira, 18 de Novembro de 2010

 

 

Não preciso de dizer mais nada. Lembram-se todos, com certeza, do porta-contentores inglês que encalhou a 16 de Fevereiro de 1980 no Tejo, mesmo em frente ao ministério da Marinha (ele há com cada coincidência!) e que, dois dias depois, virou-se ainda mais, ficando de casco (vermelho) à mostra, tornando-se um perigo para a navegação. Mas, como sempre, os portugueses têm uma apetência especial para ver coisas boas na desgraça e até houve quem ficasse com o naufragado navio na memória como um dos monumentos nacionais de eleição. Aliás, descobri até que parte do material do famoso navio serve de decoração a um bar chamado "A Casa do Leme".

 

A coisa também não era para menos. Foram três anos (acabou por ser removido somente a 2 de Dezembro de 1983, após várias tentativas falhadas) que aquela peça metálica, mais parecida com um futurista parque de skate, esteve à vista de todos, chegando mesmo a alimentar as tardes de muitos reformados. Grande parte da terceira idade lisboeta perdeu largas horas sentada nos bancos de pedra do muro do Terreiro do Paço junto ao rio a mandar os seus palpites sobre a melhor forma de virar e remover facilmente o navio. Isto, claro está, durante as várias tentativas infrutíferas que iam sendo feitas. Imaginam-se os comentários: «Obviamente que assim não vão a lado nenhum...»

 

Por fim, lá veio uma equipa do estrangeiro para finalmente tirar dali o que já era visto como uma vergonha nacional. Havia mesmo quem dissesse que o barco, dali, já não saía.

 

Lembrei-me do Tollan, por associação de ideias à discussão do último Orçamento de Estado e da possível entrada do FMI. Mais outra parvoíce como outra qualquer. Está visto que, por mais voltas que a democracia portuguesa dê, a alternância de poder está no mesmo ponto em que se encontrava a monarquia no final dos seus tempos. O rotativismo de então, entre regeneradores e progressistas, só deu lugar ao actual rotativismo entre socialistas e social-democratas. Qual é a diferença? Não pagamos adiantamentos ao rei, mas pagamos (e bem) os adiantamentos (a fundo perdido) que outros fizeram para construirem resorts de luxo em Cabo Verde.

 

Enquanto isso, o país, encalhado, assiste a tentativas de virar a situação (e só lá vai mesmo com uma rotação de 180 graus), cheia de 'reformados' (não em bancos de pedra, mas nas cadeiras das televisões, em talk shows) a mandar os seus palpites em como seria simples e eficaz dar a volta à desgraça, quando a solução poderá ter mesmo de chamar novamente a rapaziada de fora (FMI) para dar conta do recado.

 

Ninguém se entende. Trocam-se acusações (olha que novidade!), trocam-se carros topo de gama como quem contrata assessores, trocam-se robalos por favores, trocam-se frutas por arbitragens, trocam-se nacionalidades e até o país pela Europa. Por prestígio, apenas. Trocas e baldrocas de quem faz orelhas moucas ao que se passa fora dos gabinetes de São Bento. Às vezes até fico na dúvida se sabem mesmo o que se passa ou se pensam que o povo é sereno e é só fumaça!

 

O Tollan continua encalhado, meus caros. E pelo andar da carruagem vai continuar assim por muito tempo.

 

Já agora, deixo um excerto d'Os Maias, que ando a reler, muito curioso...

 

O Cohen colocou uma pitada de sal à beira do prato, e respondeu, com autoridade, que o empréstimo tinha de se realizar «abruptamente». Os empréstimos em Portugalconstituíam hoje uma fonte de receita, tão regular, tão indispensável, tão sabida como o imposto. A única ocupação mesmo dos ministros era esta - «cobrar imposto» e «fazer o empréstimo». E assim havia de continuar...

Carlos não entendia nada de finanças: mas parecia-lhe que, desse modo, o país ia alegremente e lindamente para a bancarrota.

- Num golpezinho muito seguro, e muito directo - disse Cohen sorrindo - Ah, sobre isso, ninguém tem ilusões, meu caro senhor. Nem os próprios ministros da Fazenda!... A bancarrota é inevitável: é como quem faz uma soma...

 

Foto de ALFREDO CUNHA/LUSA PRT Lisboa LUSA © 2008 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A



Uma Sarrafada de: Pedro Figueiredo às 08:58
Link | Concentre-se a comentar

Sarrafadas Frescas

Muda de troika se não est...

Liga Europa: Uma fé inaba...

Liga Europa: Obrigado pel...

Dear Europe

Há crise???...

Liga Europa: O pesadelo d...

Oiçam bem esta voz!

|| Eu a falar sozinho

Liga Europa: Arigato nucl...

Não usem o direito a tort...

Comentários Fresquinhos
  • Não é reteu, é reteve
  • o tunning é uma arte quando bem feito , tudo tem o...
  • O que esconde o Estado Português sobre o naufrágio...
  • Saiba mais sobre o misterioso naufrágio do navio B...
  • Aprecio muito o seu blog. Todos os dias tenho visi...
  • subscrever feeds