Espólio Sarrafeiro
2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


Sarrafeir@s
Facebook
Share
Network Blogs
<
Related Posts Plugin for Blogs.
Domingo, 25 de Abril de 2010

 

 

 

 

O meu dia 25 de Abril de 1974 foi diferente do vosso. Foi um dia calmo e sereno em que, alegremente, continuei a passear, de um testículo para o outro, do meu pai.

 

Quando,passado dois anos, vim ver como era o ambiente cá fora, comecei logo por não achar grande piada à "Revolução dos Cravos". Estava a dar-me vontade de nascer, mas os médicos tinham de ir ali fazer uma greve e, por isso, disseram à minha mãe, toma lá uma injecção e aguenta-te à bronca mais 2 dias, que o povo tem de ir para a rua! Aquilo pareceu-me mal. Mesmo muito mal. Quando voltaram da rua, volvidos os 2 dias, eu estava com um mau feitio desgraçado: então fazem o 25 de Abril para tornar as pessoas livres e, depois, prendem-me? Então mas eu fiz mal a alguém?  Vão-se lixar, mais às vossas revoluções! Por isso, o meu 25 de Abril não foi feito com cravos: foi a forceps. E, ao contrário do outro, teve muito sangue e hematomas. Mas eu não chorei. Quando cheguei cá fora, quis dizer-lhes:olhem que isto da Liberdade é espectacular!Vejam lá é se começa a chegar a todos! E tratem-na bem, que a Liberdade não é uma brincadeira de meninos! Mas não me deixaram dizer nada. Enfiaram-me um tubo nas goelas, meteram-me numa ambulância e mandaram-me para Lisboa, que Portalegre era o sub-mundo da Medicina.

 

Sobrevivi. E não guardo mágoas nem rancores. Nem aos médicos, nem à Liberdade. A história do que se passou em 74, tive de aprendê-la por conta da curiosidade porque, para a Escola, o curso do Mundo terminara na II Guerra Mundial. Em casa, tanto ouvi falar de uma tal "descolonização vergonhosa", como do meu avô comunista, que era manajeiro de um latifundiário, mas lia o Avante às escondidas. Por isso, ninguém me vendeu um 25 de Abril. Construí o meu próprio guião do 25 de Abril. Parece-me muito mal que as pessoas vivessem encarneiradas e não pudessem manifestar opinião. Ou reunir-se para debater ou reflectir. Ou que fossem presas e torturadas por fazê-lo. Mas também me parece muito mal ver as loiças de Cantão, e as pratas e as mobílias do latifundiários, agora na casa dos ex-trabalhadores. Porque isso é roubo e roubo é crime.

Penso que, uma vez por ano, muitos colocam na lapela o cravo vermelho, como quem agarra desesperadamente contra o peito,um álbum de fotografias amarelecidas, na esperança de regressar a um passado que já não volta. Outros coloca-no na lapela,como colocariam uma rosa ou um antúrio ou um gerbéria. Neste dia, alguns fecham portas e janelas e nem querem ouvir falar de tal coisa. Outros, falam neste dia com uma saudade tão distante que é como se doutra vida falassem.

 

Em qualquer dos casos, para o bem e para o mal, passou, está passado. E já lá vão trinta e tantos anos, que é aquela idade em que as pessoas devem ser adultas, e sérias, e conscienciosas. Por isso, mais do que saber o que fizemos com a Liberdade, importa definir o que vamos continuar a fazer com ela. Eu, vou-lhe pondo tubos nas goelas e balões de soro, na esperança que ela resista, como eu. Não lhe ponho cravos vermelhos. Mas também não quero pôr-lhe uma coroa de flores.

 

 

P.S. - O meu pai esteve na Guerra do Ultramar. Rebentou uma mina debaixo do jipe onde seguia. Não sei como, sobreviveu sem mazelas. O navio que o trouxe de volta a Portugal chamava-se "Ana Mafalda". À minha maneira, trago a Liberdade no BI...


sinto-me: viva

Uma Sarrafada de: MSadio às 08:41
Link | Concentre-se a comentar

11 comentários:

jonasnuts @ 13:48

25/4/10

Este post está em destaque na Homepage do SAPO.

MSadio @ 20:38

25/4/10

Obrigada, MJ! Ainda bem k gostaste! bj ;) m

jonasnuts @ 20:43

25/4/10

Não tem a ver com o facto de eu gostar, os meus gostos não são chamados para os destaques do SAPO, tem a ver com o facto de ter achado relevante.

(Mas gostei muito :)

MSadio @ 21:58

25/4/10

Eu sou uma rapariga rústica...e alentejana. Por isso, não estou habituada ao relevo! Então olha: a gerência agradece, seja lá o que for de agradecer! :)

jonasnuts @ 22:03

25/4/10

A gerência deste lado é que agradece a preferência e a relevância que lhe permite fazer destaques :)

Eu também sou rústica, apesar de não ser alentejana, lisboeta de 4ª geração...., mas rústica :)

Maria @ 14:25

25/4/10


Gostei muito de ler este texto, com humor à mistura, conta o que se passou. Eu fui testemunha.
Maria

Mr. Steed @ 15:20

25/4/10

testemunha de Jeová ou foi a parteira que ajudou ao parto?

Maria @ 19:22

25/4/10

Entendeu mal, eu não fui testemunha do seu nascimento, mas sim de muitos acontecimentos pós 25 de Abril de 1974.
Era suposto agradecer o comentário. Estamos sempre a aprender.
Desejo que tenha um domingo muito bom.
Maria

MSadio @ 20:36

25/4/10

Olá Maria: Este Mr Steed tem, assim, esta pontinha de mau génio,mas não é mau rapaz! Fico contente por ter gostado do texto e por se ter revisto em algumas das coisas que ele continha. A História não tem uma leitura unívoca, em meu entender. Estas são as estórias da História. Obrigada pelo seu comentário! beijinhos ;) m

FF @ 20:41

25/4/10

unívoca? Bolas! Nunca mais escrevo aqui neste tasco que isto já parece o clube de leitura...

Ah, o Chelsea ganhou 7 a 0 caso ainda não tenham percebido.

MSadio @ 22:00

25/4/10

A Chelsea não era a filha do Clinton? Ela joga o quê?...

Comentar post

Sarrafadas Frescas

Muda de troika se não est...

Liga Europa: Uma fé inaba...

Liga Europa: Obrigado pel...

Dear Europe

Há crise???...

Liga Europa: O pesadelo d...

Oiçam bem esta voz!

|| Eu a falar sozinho

Liga Europa: Arigato nucl...

Não usem o direito a tort...

Comentários Fresquinhos
  • Fazer asneiras e ser bem sucedido e bem pago pelos...
  • Não é reteu, é reteve
  • o tunning é uma arte quando bem feito , tudo tem o...
  • O que esconde o Estado Português sobre o naufrágio...
  • Saiba mais sobre o misterioso naufrágio do navio B...
  • subscrever feeds